23 C
Cachoeira do Sul
sexta-feira, 28 fevereiro, 2020 - 09:32
Cachoeira do Sul e Região em tempo real
  • Inicio
  • DESTAQUES
  • Alto do Amorim cobra instalação de ar-condicionado no posto de saúde

Alto do Amorim cobra instalação de ar-condicionado no posto de saúde

 

 

 

Aparelho comprado há dois anos foi parar embaixo de uma mesa. Fotos: Cacau Moraes

A Unidade Básica de Saúde (UBS), do Alto do Amorim, em Cachoeira do Sul, região que abrange cinco bairros, necessita de maior atenção da Prefeitura. Há dois anos foi comprado um aparelho de ar-condicionado, mas até hoje não foi providenciado sua instalação. Para amenizar as altas temperaturas, servidores se socorrem de um ventilador de pequeno porte.

Ao todo, são seis servidores que atuam na UBS mais um médico, que atende a população do Alto do Amorim de segunda a sexta-feira pela manhã. O aparelho de ar-condicionado está embaixo de uma mesa, porque não há mais espaço na UBS que de um terminal de ônibus foi transformada em posto de saúde.

As instalações são pequenas e até inadequadas paras uma unidade de saúde. Há pouco tempo foi colocado um toldo na frente do prédio para servir de abrigo para as pessoas em dias de chuva. Além disso, a UBS que pode atender moradores de qualquer bairro, possui um telefone que não funciona adequadamente. Os servidores não conseguem se comunicar com pacientes. Muitas vezes são obrigados a utilizar seus telefones particulares.

A UBS representa muito para a comunidade. Em média por semana são atendidas 44 pessoas, afora atualização de receitas ou atendimentos urgentes. O funcionamento é das 7h às 12h e das 13h às 16h. Do grupo de servidores fazem parte três agentes de saúde.

 

IMPORTANTE
O secretário de Saúde Roger Gomes disse que a partir do dia 20 deste mês, quando será aberta a contabilidade deste ano, será providenciada a contratação de uma empresa para instalar o ar-condicionado.

ATENÇÃO

A Prefeitura até projetou uma nova unidade sanitária para o Alto do Amorim. O projeto seria construído no Parque Primavera. Já se passaram cerca de 8 anos e nada de concreto foi feito. Duas empresas iniciaram a obra e depois foram embora. Restaram paredes que viraram escombros pelo abandono e pelo ataque dos vândalos.