25.2 C
Cachoeira do Sul
sexta-feira, 22 novembro, 2019 - 11:14
Notícias de Cachoeira do Sul e Região

Bastidores da votação de Castelo

Foi uma tarde tensa nesta quarta-feira (26). A votação que poderia acarretar a cassação do mandato do vereador Noeli Castelo. Teve de tudo um pouco. Um dos embates envolveu os vereadores e advogados Igor Noronha (MDB) e Carlos Alberto (PP). Palavras fortes e discursos ríspidos buscaram marcar território durante a sessão.

Noronha chegou a citar diária para a vereadora Telda Assis. A petista tratou e esclarecer a situação. “A nota estava errada e devolvi. Nem por isso espalhei diárias dos colegas por aí”, enfatizou Telda. “Foi totalmente diferente”, alegou. Na sequência, Noronha ampliou o impasse dizendo que não comparou as situações.

Marcelo Figueiró também foi potente na defesa de seu voto contra a cassação. Chegou a bater no púlpito durante o uso do seu espaço de discurso. “Esse tribunal é do povo. O povo que elegeu. Ele vai decidir se ele (Castelo) continua ou não”, enfatizou o emedebista.

“Aí está um homem humilde. É a cara do povo cachoeirense”, defendeu o advogado de Castelo, após pedir para o parlamentar levantar / Foto: OC

Em outro momento, o relator Luis Paixão e Igor Noronha chegaram a discutir fora do Plenário. O tom das vozes chamou atenção de vereadores e do público. Paixão, aliás, teve seu capítulo especial durante a sessão. Revelou que Castelo teria dito a ele – logo após a denúncia – que vereador do lado do prefeito não seria cassado. O progressista ainda disparou contra o próprio prefeito ao dizer que Sérgio Ghignatti não conhecia processo. No entanto, se manifestou contra. “Mas cortou cabeças em casa”, disse o relator sobre casos de servidores da Prefeitura que foram exonerados.

Vereador que denunciou caso, Itamar Luz, acompanhou sessão sentado na escadaria junto ao público / Foto: OC

Impossível não resumir os bastidores da sessão sem citar o vereador Jorginho Fialho. “Quem votar a favor do Castelo, pode encomendar caixão com Valdocir Marques. Isso vale para o próprio vereador Valdocir, inclusive”, disse. E não parou por aí na ênfase em defender a cassação. Chegou a criticar Igor Noronha. Para Fialho, o vereador é advogado e os profissionais de Direito estão acostumados em defender até estupradores

Já Gilmar Dutra comparou o caso com a criação de filhos. “Se tudo a gente passar a mão por cima, a pessoa não melhora”, sinalizou. A utilização de comparações foi recurso também usado pelo presidente da Câmara. Carlos Alberto destacou a teoria da vidraça quebrada. “Se não consertar, mesmo que pequeno, o problema pode piorar”, justificou.

O advogado de Castelo – constituído nesta terça (25) – foi um ponto em destaque na tarde. “Além de estar defendendo o vereador Castelo, estou defendendo os 1.048 votos dele. E vou além! Estou defendendo a democracia”, disparou.

Além das discussões que fugiram do campo das ideias, os bastidores ainda sugeriram tratativas anteriores e durante a sessão. É esperar.