Carregando...

Pedras na Rua Moron: asfaltar ou preservar nossa história?

Domingo, 15 de Abril de 2018 às 21:26 por (jrr.ocorreio@gmail.com)
Rampa virou motivo de impasse após posição de conselho / Foto: Cristina da Gama Mór

A posição contrária do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico e Cultural de Cachoeira do Sul sobre o possível asfaltamento de um trecho da Rua Moron às margens do Rio Jacuí repercute na comunidade cachoeirense. A mudança seria para melhorar a trafegabilidade de veículos por ocasião da instalação de um cais para ser utilizado pela barca que realizará a travessia durante interrupção do trânsito na Ponte do Fandango no período de obras.

A reportagem do OCorreio Digital pesquisou sobre a importâcia histórica do trecho que motiva o anúncio da entidade contra a obra na Moron. Segundo a carta assinada pela professora Miriam Ritzel, as pedras existentes no local fazem parte da história de Cachoeira. Se for colocado asfalto, a população não conheceria parte desta história.

Estudos feitos pela professora indicam que as grandes e irregulares pedras estão no local desde o início da década de 1850, quando Fidêncio Pereira Fortes empreitou a obra de construção da rampa de embarque e desembarque do porto da Vila Nova de São João da Cachoeira.

Registros sugerem relevância histórica do trecho / Foto: Reprodução

O Rio Jacuí permitia a navegação de embarcações de até 58 toneladas já no início da década de 1840, quando Antonio Kussmann e Nicolau Faller começaram a navegação comercial entre Rio Pardo e Cachoeira. Mas faltava um porto organizado, com uma rampa que garantisse comodidade ao trânsito no embarque e desembarque.

Em outubro de 1852, a Câmara de Cachoeira solicitou ao engenheiro Frederico Heydtmann uma planta e orçamento da rampa que chegou à cifra de 9:524$200 réis, considerada vultosa. Em janeiro de 1853, Fidêncio Pereira Fortes conseguiu arrematar a obra por 3:169$200 réis a menos. Como era praxe naquela época, apresentou como fiador Antônio Pereira Fortes e teve que aguardar que a presidência da Província aprovasse a arrematação, o que se deu em 4 de maio de 1853.

Dentre as cláusulas do contrato de arrematação, estava prevista a entrega da obra para vistoria em dois anos, não sem antes comunicar, com a antecedência de dois meses, a conclusão de cada uma das etapas, como construção de alicerces, desaterro e empedramento, para que fossem examinadas por comissão designada pelas autoridades. O pagamento do valor contratado seria feito em três parcelas, sendo a mais alta, no valor de 3:177$500, no ato da portaria de arrematação, e as outras duas, no valor de 1:588$750 cada, quando a obra estivesse na metade e, por último, na conclusão. 

Rampa pode ser asfaltada, segundo proposta feita pela Prefeitura / Foto: Cristina da Gama Mór

O início das obras apresentou uma dificuldade imprevista ao arrematante. Um grande banco de pedra vermelha encontrado no local causou sobrecarga de trabalho para escavação, obrigando Fidêncio a solicitar indenização e apresentar orçamento suplementar. Aprovado o aumento no valor, o arrematante precisou solicitar adição no tempo de entrega em mais um ano.

Fidêncio Pereira Fortes entregou a primeira parte da rampa e calçada do porto em 1º de dezembro de 1856, não deixando de alertar que deveriam ser tocadas as obras de construção dos paredões, calçada e empedramento até o banco de pedra vermelha. Em 7 de abril de 1857, a Câmara abriu concorrência para o restante das obras, sendo vencedor José Ferreira Neves, tendo como fiador Antônio Vicente da Fontoura.

A solicitação da Prefeitura ao Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes é para asfaltamento da Rua Moron até a Rua Conde de Porto Alegre.

TAG: Cachoeira do Sul, Rio Jacuí, Ponte do Fandango
+ Pensando CachoeiraVer todas
Lixo em sangas piora situação após enxurrada em Cachoeira
Lixo em sangas piora situação após enxurrada em Cachoeira
por José Renato Ribeiro
Uma enxurrada atingiu o município de Cachoeira do Sul nos últimos dias, causando prejuízos e danos em residências, vias públicas e drenagem pluvial. O alto volume pluviométrico registrando entre 40...
Emprego: Cachoeira tem trimestre pior do que em 2017
Emprego: Cachoeira tem trimestre pior do que em 2017
por José Renato Ribeiro
O Ministério do Trabalho divulgou nesta sexta-feira (20) os resultados de março do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) que considera o retrospecto do mercado formal, ou seja, empregos com carteira assinada. A...
Pagamento de balsa: VOCÊ impede com sua assinatura
Pagamento de balsa: VOCÊ impede com sua assinatura
por José Renato Ribeiro
Após reunião em que o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) informou que o custo da balsa para travessia de veículos, durante as obras na Ponte do Fandango deverá ser arcado pela...
"Cachoeira se transformou em um depósito de gente", diz MP
"Cachoeira se transformou em um depósito de gente", diz MP
por José Renato Ribeiro
Atuar de forma preventiva e em rede na solução de problemas de grande impacto social é um dos objetivos estratégicos do Ministério Público (MP) do Rio Grande do Sul. Com objetivo de divulgar resultados da...
WhatsApp do OCorreio Digital informa você de graça
WhatsApp do OCorreio Digital informa você de graça
por José Renato Ribeiro
A redação do OCorreio Digital está agora ainda mais perto do cachoeirense. E 24 horas por dia. Um canal exclusivo de interação com o público passa a ser um caminho de mão dupla: você sugere uma...
Assine, é Grátis
OCorreio Digital
Canal no Youtube do Jornal O Correio Jornal O Correio no Twitter Jornal O Correio no Youtube
  • O Correio Digital
  • Rua 15 de Novembro, 884 - CEP: 96508-751 | Cachoeira do Sul - RS
  • (51) 3724-0300